domingo, outubro 26, 2014

Lavabo, espaço funcional ou de “cerimónia” - Infohabitar 506


Artigo LXIII da Série habitar e viver melhor

Infohabitar, Ano X, n.º 506

Continuando a Série editorial sobre "habitar e viver melhor", na qual temos acompanhado uma sequência espacial desde a vizinhança de proximidade urbana e habitacional até ao edifício multifamiliar, e neste os seus espaços comuns, vamos, agora, falar com algum detalhe sobre os espaços que constituem os nossos “pequenos” mundos domésticos e privativos, refletindo sobre as diversas facetas que os qualificam.

Primeiro viajaremos pelos espaços domésticos comuns, isto é aqueles que são usados por todos os habitantes de uma dada casa ou apartamento numa base geral de uso partilhado e de alguma comunidade; depois iremos até aos espaços domésticos privativos, portanto aqueles mais amigos de um uso individual, ou muito ligado ao casal. São os seguintes os espaços domésticos comuns a abordar, sequencialmente, em artigos desta série: vestíbulo de entrada, lavabo, corredor e zonas de passagem, sala ou zona de estar, cozinha, áreas de serviço para arrumações, verdadeiras pequenas áreas de serviço - lavandaria e rouparia, zona de refeições ou sala de jantar, casa de banho, varanda e outras zonas exteriores privadas elevadas como pátios e pequenos quintais, virtualidades domésticas do estacionamento em garagem.

No presente artigo serão abordados diversos aspetos a ter em conta no projeto de espaços de lavabo.

(Nota geral: porque boa parte dos textos que servem de base a esta série editorial estão elaborados desde há algum tempo, eles não cumprem as regras do Acordo  Ortográfico).

Lavabo, espaço funcional ou de “cerimónia”

António Baptista Coelho

O lavabo é uma pequena casa de banho de apoio, minimamente equipada em termos de equipamentos de banho e higiene pessoal, que serve, essencialmente, a zona mais social da casa e que, por isto, deve ter também objectivos de identidade e apropriação, marcando pela sua localização e pelo seu arranjo os cuidados de recepção.

Deve ter, assim, um desenvolvimento espacial e de acabamentos que ultrapasse, claramente, aspectos estritamente funcionais e pela sua localização deve isolar um visitante do interior doméstico mais íntimo, que pode estar, eventualmente, desenvolvido e mantido de modo informal.

O lavabo tem, naturalmente, funções práticas de apoio às actividades que se desenvolvem na zona mais social da habitação e assegura, sempre, um importante papel de alternativa ao uso da casa de banho principal.

Refere-se, ainda, que numa habitação pequena o lavabo continua a poder assegurar praticamente todos os perfis funcionais apontados, ainda que podendo ser dimensionalmente reduzido a uma expressão mínima.


Fig. - Pormenor de habitação da Bo01: Arquitetura por Bengt Hidemark. 

Associações interessantes com o lavabo

O lavabo pode associar-se com o vestíbulo de entrada ou com outras zonas de circulação doméstica mais ligadas à entrada na habitação.

Uma associação interessante é a criação de um lavabo repartido em dois espaços, sendo um de wc e outro com lavatório e que serve de pequena antecâmara ao primeiro, permitindo-se, assim, uma sua agregação a compartimentos de estar, como é o caso de uma sala-comum.

A zona de lavatório do lavabo pode ser inserida também em outras associações domésticas, sendo frequentemente ligada a aspectos mais formais e representativos e integrando, por isso, também frequentemente, espelhos e outros elementos de arranjo interior e apropriação, e assumindo, naturalmente, o lavatório uma presença visual muito cuidada – mais um daqueles casos em que a função tem a sua importância muito delimitada face à respectiva caracterização formal.

Ainda uma outra possível associação numa parte “externa” da zona de lavabo – a tal zona onde será interessante a integração de uma pequena bacia de lavatório e de um espelho – será à integração de um espaço de arrumação de vestuário e outros elementos de protecção contra intempéries (frio e chuva), bem como de deposição daquela grande diversidade de objectos que usamos no dia-a-dia (desde molhos de chaves, a telemóveis e a pastas, por exemplo); uma possibilidade que poderia a poder fazer prever a disponibilização de tomadas adequadas aos carregadores dos múltiplos gadgets que hoje em dia nos acompanham e que acabam por “poluir” quartos e salas.

Se considerarmos um lavabo com um carácter fortemente “funcional” e prático, mas nos restantes aspectos tão estratégico relativamente à zona mais social da habitação como as soluções até aqui consideradas, então, poderemos imaginar que será possível associar-lhe variadas funções de apoio aos serviços domésticos com destaque para aquelas ligadas à lavandaria doméstica (lavar, tratar e, eventual ou parcialmente, secar e arrumar roupas).


Fig. - Pormenor de habitação da Bo01: Arquitetura por Bengt Andersson-Liselius, White Arkitekter AB . 

Hábitos interessantes ligados ao lavabo

Será interessante considerar a integração de espaços com a função de lavabo, mas limitados neste caso à integração de lavatórios, em situações que estavam tradicionalmente associadas a este tipo de integração, como é o caso dos quartos.

Aspectos motivadores a considerar no lavabo

Um aspecto claramente motivador na presença e no uso de um lavabo é o seu arranjo ser desenvolvido numa perspectiva de grande continuidade de acabamentos relativamente aos espaços sociais domésticos que serve, devendo haver, sempre que possível, entradas de luz natural e algumas transparências, reguladas no sentido da privacidade, mas que de certa forma facultem uma presença agradável destes espaços na vizinhança das zonas por eles mais servidas.

Outro aspecto motivador tem a ver com a presença de plantas, sempre tradicionalmente associadas, quer a zonas próximas de espaços de recepção, quer a zonas onde há instalações de água.

Problemas correntes ligados ao lavabo

Provavelmente os problemas mais correntes no uso dos lavabos terão a ver com as suas eventuais quebras de privacidade, designadamente, em termos de ruídos durante o uso, pois há proximidade física aos espaços mais sociais da habitação; haverá, portanto, de cuidar de tais aspectos.

Questões levantadas (dimensionais e outras) no âmbito do lavabo

Não haverá muitas questões a levantar a não ser quando pretendermos pintar o lavabo com a mesma tinta que usamos na sala vizinha e tivermos problemas de licenciamento por não usarmos aí o tradicional azulejo.

Em termos dimensionais volta a referir-se a grande versatilidade oferecida pela integração de lavabos articulados em duas áreas (de wc e de lavatório), bem como o seu claro suplemento de funcionalidade relativamente à existência de uma única casa de banho numa dada habitação; e diga-se que só desta maneira a casa de banho poderá assumir plenamente a função expressa na sua designação – “casa de banho” –, pois desta forma haverá sempre uma instalação sanitária disponível durante um banho prolongado, que é o verdadeiro banho.

Novidades, dúvidas e tendências (ex., trabalho em casa; idosos, etc.) relacionadas com o lavabo

Como é sabido o lavabo é um dos elementos domésticos mais apetecível em termos da expressão das mais diversas “modas” em termos de arquitectura de interiores, condição que provavelmente poderá levar, sempre que possível, a um seu dimensionamento razoavelmente generoso.

O lavabo, mais do que uma casa de banho, ou diversamente de uma casa de banho, pode desenvolver-se como que no prolongamento do átrio doméstico; com os devidos cuidados de privacidade relativos a determinados equipamentos sanitários, como é o caso da sanita; o lavabo pode integrar-se de formas atraentes no espaço social de uma habitação, transformando-se o lavar as mãos numa agradável cerimónia social, resolvendo-se, por vezes, simultaneamente, relações espaciais e até com relativa economia de áreas de circulação.



Nota importante sobre as imagens:

As imagens que acompanham este artigo e que irão, também, acompanhar outros artigos desta mesma série editorial foram recolhidas pelo autor na visita que realizou à exposição habitacional "Bo01 City of Tomorrow", que teve lugar em Malmö em 2001.

Aproveita-se para lembrar o grande interesse desta exposição e para registar que a Bo01 foi organizada pelo “organismo de exposições habitacionais sueco” (Svensk Bostadsmässa), que integra o Conselho Nacional de Planeamento e Construção Habitacional (SABO), a Associação Sueca das Companhias Municipais de Habitação, a Associação Sueca das Autoridades Locais e quinze municípios suecos; salienta-se ainda que a Bo01 teve apoio financeiro da Comissão Europeia, designadamente, no que se refere ao desenvolvimento de soluções urbanas sustentáveis no campo da eficácia energética, bem como apoios técnicos por parte do da Administração Nacional Sueca da Energia e do Instituto de Ciência e Tecnologia de Lund.

A Bo01 foi o primeiro desenvolvimento/fase do novo bairro de  Malmö, designado como Västra Hamnen (O Porto Oeste) uma das principais áreas urbanas de desenvolvimento da cidade no futuro.

Mais se refere que, sempre que seja possível, as imagens recolhidas pelo autor do artigo na Bo01 serão referidas aos respetivos projetistas dos edifícios visitados; no entanto, o elevado número de imagens de interiores domésticos então recolhidas dificulta a identificação dos respetivos projetistas de Arquitetura, não havendo informação adequada sobre os respetivos designers de equipamento (mobiliário) e eventuais projetistas de arquitetura de interiores; situação pela qual se apresentam as devidas desculpas aos respetivos projetistas e designers, tendo-se em conta, quer as frequentes ausências de referências - que serão, infelizmente, regra em relação aos referidos designers -, quer os eventuais lapsos nas respetivas referências.

Notas editoriais:
·       (i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
·       (ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.
·       (iii) Para proporcionar a edição de imagens na Infohabitar, elas são obrigatoriamente depositadas num programa de imagens, sendo usado o Photobucket; onde devido ao grande número de imagens se torna muito difícil registar as respectivas autorias. Desta forma refere-se que, caso haja interesse no uso dessas imagens se consultem os artigos da Infohabitar onde, sistematicamente, as autorias das imagens são devidamente registadas e salientadas. Sublinha-se, portanto, que os vários albuns do Photobucket que são geridos pelo editor da Infohabitar constituem bancos de dados da Infohabitar, sendo essas imagens de diversas autorias, apontadas nos artigos da Infohabitar, pelo que deve haver todo o cuidado no seu uso; havendo dúvidas um contacto com o editor será sempre esclarecedor.

INFOHABITAR Ano X, nº 506
Artigo LXIII da Série habitar e viver melhor

   Lavabo, espaço funcional ou de “cerimónia”

Editor: António Baptista Coelho – abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional, Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura da Universidade da Beira Interior
Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.






Sem comentários :